08/02/2018

Filhós da vó Anaide, filhós de Recife


Arraste a setinha abaixo e use-a como marcador durante a leitura da receita ou das listas de índice.     


Filhós de Recife 1

               De vez em quando minha mãe lembrava de alguma receita que sua mãe costumava fazer.
               Nada mais gostoso do uma receitinha temperada com sabor saudade.
               O problema é que minha mãe nunca se preocupou em aprender as receitas da mãe, embora seja uma excelente cozinheira.
               Então precisei pesquisar muito e fazer algumas receitas até chegar em uma bem parecida com a da vovó.
               No nordeste do Brasil e em Portugal, filhós são friturinhas feitas na época do carnaval e servidas com calda de especiarias.
               Embora o carnaval não fizesse parte das nossas tradições, preparar os filhós nesta época fazia parte das tradições da vovó. Pelo menos enquanto seus filhos eram solteiros.
               Minha mãe acabou recebendo a receita de uma colega de trabalho.
               A massa é a massa choux, com a qual se faz bombas e Carolinas e uma série de outras receitas doces e salgadas. A massa é neutra.
               Eu já havia publicado a receita aqui, junto com a receita de filhós de Caicó, mas não tinha fotografado a receita da vovó ainda.
               Por isso resolvi desmembrar aquele post em 2, dando o destaque merecido à receita de minha querida e saudosa avó.
               Mãos ao trabalho!!!!


Filhós de Recife 2

               Filhós de Recife, da vó Anaide:

               - 1 xícara (das de chá) de água;
               - 1 pitada de sal;
               - 1 colher (das de sopa) de manteiga;
               - 1 colher (das de chá) de açúcar;
               - casca de 1 limão ralada;
               - 125 g de farinha de trigo;
               - 4 a 5 ovos;
               - óleo para fritar.

               Leve ao fogo a água, o sal, a manteiga, o açúcar e a casca de limão ralada.

Filhós de Recife 3
 
               Quando começar a ferver, junte toda farinha de uma vez só;
               Mexa bem, ainda no fogo, por cerca de 3 minutos.
               A massa vai formar uma bola naturalmente. Vá abrindo esta bola, puxando a massa com a colher de pau, para cozinhar bem no centro e evaporar o máximo de líquido possível.
               Isso vai fazer com que os ovos sejam bem absorvidos pela massa e os filhós (ou Carolinas ou bombas) cresçam bastante. Geralmente quadruplicam de tamanho.
               Vai se formar uma casquinha no fundo e nas laterais da panela. Não há problema. A massa vai desgrudar facilmente desta casquinha, ficando macia como deve ser, e a casquinha é sinal de que a massa está bem cozida. Só não a deixe queimar.
               Retire do fogo e passe para a batedeira ou para uma tigela, caso queira usar o liquidificador depois.
               Quebre os ovos, 1 a 1, em um copo e junte-os todos em outro copo. O primeiro copo serve para verificar se o ovo está bom para consumo. Se estiver, junte-o aos outros.

Filhós de Recife 4

               Ligue a batedeira e acrescente os ovos, 1 a 1. Não se preocupe por estarem todos no mesmo copo, eles vão na velocidade que você virar o copo. Bata até obter uma massa leve e cremosa como a de bolinhos de chuva.
               Se for usar o liquidificador, acrescente 2 ovos (1 de cada vez) e bata a massa até que estes ovos estejam incorporados. Passe a massa para o liquidificador, junte os ovos restantes e bata até a massa ficar leve e cremosa como a de bolinhos de chuva.
               Se for necessário, acrescente o quinto ovo.
               Aqueça bastante óleo e pingue meia colher, das de sobremesa, de massa no óleo. Lembre-se de que vão quadruplicar de tamanho durante o cozimento.
               Frite até dourar e escorra em papel absorvente.
               Sirva com calda de frutas ou de especiarias ou de erva doce ou de baunilha.
               A vó Anaide fazia a calda de erva doce.


Filhós de Recife 5

               Calda:

               - 3 xícaras (das de chá) de açúcar;
               - 1 1/2 xícaras (das de chá) de água;
               - 1 colher (das de sopa) de erva doce.

               Ferva o açúcar com a água e a erva doce até chegar em consistência de mel.

Filhós de Recife 6
 
               Geralmente quando a calda está no ponto, as borbulhas estouram mais lentamente e já dá para perceber que a calda está mais grossa.
               Você pode testar o ponto (não é necessário) separando um pouco da calda e levando para gelar. Mas se não quiser fazer o teste e a calda, quando esfriar, não estiver no ponto desejado, basta levar ao fogo para ferver mais um pouco, caso esteja rala, ou acrescentar um pouco de água e levar ao fogo até ferver, caso esteja grossa demais.
               Coe a calda, desprezando a erva doce, e passe para um vidro.

Para ver outras receitas de compotas, genéricos e rosquinhas fritas acesse o Índice 3.




Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros

Sua opinião sobre o nosso espaço é muito importante.
Por isso sinta-se à vontade para registrá-la. Ou use esse espaço para tirar dúvidas ou deixar sugestões.
Se desejar incluir uma imagem de uma receita testada ou vídeo ou mesmo usar um emoticon, basta colocar a url da imagem ou vídeo no texto do comentário.
Para achar a url clique na imagem ou vídeo com o botão direito do mouse e depois clique em "Copiar endereço da imagem".
Imagens, vídeos ou comentários ofensivos não serão publicados. Discordar é saudável, ofender não.
Propagandas e links externos também não serão publicados.
Seja sempre muito bem-vindo(a).

Nenhum comentário: