24 de mai de 2017

Manauê de milho verde



Manauê de milho verde 1

                Minha mãe conta que meu avô Amaro costumava comprar sacas de milho verde de tempos em tempos e minha vó Anaide passava horas ralando as espigas e preparando diversos pratos com a massa. Herança dos tempos coloniais em que havia uma diversidade grande de pratos na hora do café da manhã e da merenda da tarde, que substituía, muitas vezes, o jantar. Era o que eles chamavam de ceia.
               Nossa prima Nelma (prima-irmã de minha mãe) me pediu a receita de manauê de milho verde, mas a nossa geração não chegou a provar deste bolo específico. Então o jeito foi pesquisar na internet.
                Eu já conhecia o manauê de mandioca/aipim/macaxeira e o primeiro manauê de Recife que achei era de fubá, mas meio que descartei esta receita, por conta das história das espigas de milho.
                A minha mãe lembrou que a mãe dela fazia este bolo quando ainda morava no Recife e que quando ela chegou no Rio de Janeiro já não fazia mais. Por isso a minha geração já não conhece a receita da vovó.
               Achei algumas receitas na internet, inclusive uma que é de fubá, mas resolvi preparar uma de milho verde, mudando o modo de fazer, adaptando ao meu tempo disponível.
               É hora de fazer a ponte entre o passado e o presente!!!!!
               'Bora lá??????

               Ah! Resolvi inverter as fotos (normalmente eu coloco a foto do bolo inteiro primeiro e depois da fatia) porque este bolo, mesmo não levando ovo, cresce muito, cria uma casquinha e depois murcha. Então as bordas dele ficam irregulares e esteticamente esquisitas, mas resolvi deixar mesmo assim para que quem for fazer o bolo não se assuste com o jeitinho meio desengonçado da borda. Ele é assim mesmo e é muito gostoso.
               E é por isso também que a fatia parece um trapézio bem irregular, menor na parte interna e maior na externa.
               Uma pena que a minha mãe disse que não é o manauê da vovó.
               Mas que eu tentei, eu tentei!!!!!


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


17 de mai de 2017

Sardinha assada



Sardinha assada 1

                Esta receita me foi passada por minha sogra, d Iracema, que aprendeu com a sua cunhada.
                Na verdade foi mais uma dica, já que costumávamos sempre preparar as sardinhas fritas, empanadas em fubá.
                Visitando a sua cunhada, minha sogra provou a sardinha cozida em panela de pressão, com um rico molho de tomate e sugeriu que eu fizesse assim também.
                É o clássico "ovo de Colombo". Tão simples...
                Enfim, para variar a sardinha nossa de todo fim de semana, faça assada no forno.
                Ah, sim! Assada no forno.
                Peixes cozinham tão rápido, né? Para que usar a panela de pressão se um pirex já vai à mesa?
                E nada mais prático para o fim de semana do que abrir um pote de molho de tomate caseiro, que você já preparou anteriormente, e montar um pirex com belas sardinhas.
                Incremente o molho com mais alguns temperinhos tais como coentro em sementes ou folhas, manjericão, pimenta do reino moída na hora... e o que mais agradar ao paladar.


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


10 de mai de 2017

Petit-four de tomates secos



Petit-four de tomates secos 1

                De vez em quando minha mãe lembra de algo que comeu, gostou, mas não tem a receita.
                E lá vou eu atrás da receita original ou de algo que seja parecido.
                E é uma batalha, afinal, quem comeu foi ela e procurar algo que você talvez nunca tenha visto ou que não se lembra de ter visto é uma dificuldade.
                Então resolvi pegar uma das minhas receitas já testadas e aprovadas de petit-four e acrescentar um purê de tomates secos.
                E não é que deu muito certo?


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


3 de mai de 2017

Cuscuz de arroz



Cuscuz de arroz 1

                Durante muito tempo eu só conhecia 2 tipos de cuscuz: o de milharina e o de tapioca.
                Com o passar do tempo, descobri o cuscuz paulista e o marroquino.
                Até que um dia aprendi a fazer farinha de arroz e a minha mãe se lembrou do cuscuz de arroz que a mãe dela fazia.
                Então lá fui eu descobrir como preparar o tal cuscuz e amei!!!!
                É fácil de fazer, leve e o mais trabalhoso (mas nem tanto assim) é preparar a farinha.
                Então, mãos à obra!
                Ah! E foi a primeira vez que usei um funil encaixado na válvula da panela de pressão para cozinhar o cuscuz.


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


26 de abr de 2017

Pão recheado com queijo cremoso



Pão recheado com queijo cremoso 1

                É notório que uma boa apresentação é muito importante na culinária.
                Afinal também "comemos" com os olhos.
                De vez em quando uma modelagem de pão chama a minha atenção e com estas lindas florzinhas de massa de brioche não foi diferente.
                Então resolvi preparar os pãezinhos em duas versões: salgada e a versão original doce. Ambas maravilhosas.
                Faça como eu, prepare as duas versões e delicie-se.


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


19 de abr de 2017

Azeites defumados



Azeites defumados 1

                Ano passado, na final de uma competição culinária, uma competidora saborizou um azeite com um carvão em brasa.
                Achei muito interessante e depois disso vi mais 3 ou 4 chefs usando o mesmo recurso para saborizar o azeite.
                Recentemente estreou um novo programa em que todos os pratos são "defumados" em um braseiro.
                Bom, eu já havia feito uma postagem sobre óleos e azeites aromatizados e tenho feito muitos pratos defumados (peixes, aves, carnes...), então resolvi fazer este azeite defumado com carvão em brasa, outro azeite defumado com a minha serragem caseira e saborizado com algumas especiarias e ervas frescas.
                O resultado vocês podem ver a seguir.
                A propósito, o azeite saborizado com carvão tempera carnes vermelhas grelhadas, os demais azeites podem ser usados sobre qualquer preparação dependendo da serragem e das ervas desidratadas ou frescas usadas. Inclusive há quem saborize azeite com fava de baunilha para ser usado sobre frutas frescas ou sorvetes.
                Prepare pequenas porções de azeite, para consumo em até 1 mês, principalmente os com ervas frescas. Óleos e azeites ficam rançosos e estes azeites aqui estão alterados pelo aquecimento e pelos ingredientes extras.


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros