30 de dez de 2011

Camafeu de nozes



Camafeu de nozes


              Queridos, estou republicando a minha penúltima postagem do ano. Acidentalmente eu deletei a postagem ao invés de deletar o rascunho. Minha sorte é que sempre posto uma copia em meu blog espelho, portanto ela está completa.
              Só não estranhe o fato da postagem anterior estar com uma mensagem de última postagem do ano e desejos de um 2012 maravilhoso para todos, rsrsrs. Coisas de ferias....
              Grata pela compreensão! 'Inté!

 Aproveitando o natal e o fato de ter feito uma postagem ensinando a abrir nozes de forma fácil e prática, resolvi fazer alguns docinhos.
              Além de aproveitar bem os alimentos, tenho aprendido a fazer pequenas porções, o que ajuda a não passar desejo de comer um doce, mas também a não exagerar no consumo, já que se faz uma quantidade mínima.
              Não sou muito fã de congelados, embora planeje ter um freezer no futuro. Por isso, ainda prefiro fazer pequenas quantidades.
              E como este blog é um misto de diário virtual e caderno de receitas, vou colocar as receitas que tenho em meu caderno "real".
              Aproveitem!


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


Canudinho de massa de pastél

Canudinho de massa de pastél


               Recentemente encontrei, no site de receitas do "Mais Você", uma receita de canudinho recheado com doce de leite.
               A receita muito me interessou porque acho a massa de pastel muito versátil, a apresentação em formas de canudinhos é muito atrativa, para crianças de todas as idades, é prática e rápida de fazer e por ser neutra, pode receber recheios doces e salgados.
              E para um fim de sábado em que não queremos o excesso de uma bela pizza, mas queremos algo mais, é uma boa pedida, porque agrada aos olhos e ao paladar.
              No site, a massa usada é a em forma de disco com 9 cm de diâmetro, que foi cortada ao meio, mas como eu tinha uma massa maior, com 13 cm, cortei cada disco em 4.
              Vou mostrar mais abaixo.


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


28 de dez de 2011

Como abrir nozes e nozes fingidas

Como abrir nozes


              Esta dica eu vi em um programa de tv, recentemente, apresentada pela culinarista Jarda Saraiva.

              Testei este natal e foi muito fácil abrir as nozes.
              Esta técnica vai facilitar muito a vida de doceiras profissionais, mas também é muito útil para quem gosta de fazer bolos e doces com nozes e até mesmo para aquelas familias que costumam ter as nozes em compoteiras a disposição dos apaixonados por oleaginosas.

              Enfim, ai estão as minhas fotos e o meu passo-a-passo. Eu já tinha publicado na postagem "Leite de soja, de coco e de oleaginosas", mas achei que merecia mais destaque.


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


25 de dez de 2011

Torta de bananas


Torta de bananas 1


              Aproveitando que fiz vários doces de bananas, resolvi fazer torta de bananas para sobremesa da ceia.
             Um dos doces que fiz e mostrei aqui, a receita 4, com bananas nanicas ou prata (fiz com a nanica) virou o recheio desta torta.
             Nós sempre fizemos com bananas cruas fatiadas longitudinalmente. Mas a cerca de 3 anos, minha filhota sugeriu que fizéssemos com o doce.
             Eu sempre faço uma torta com 13 cm de Ø.
             Esta, de natal, eu fiz com 17 cm Ø.
             Ah! e para aqueles que não fazem doces de frutas, achando que vai ficar com muitos doces, uma dica: para o doce da torta eu usei só duas bananas e cada doce fotografado na postagem Doces de bananas, pode ser feito até com uma fruta apenas.
             O de bananas ouro, a menor de todas, eu fiz com 6; o de bananas prata com 4; e o de bananas nanicas para a torta fiz com 2.
             Só quando a intenção é fazer doce de corte é que é preciso que se pese a polpa da fruta e se coloque o mesmo peso em açúcar. Se o doce pretendido for um daqueles que têm uma casquinha crocante, então é preciso que se coloque  uma vez e meia o peso da polpa, em açúcar.

            Voltemos à torta de natal!


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


21 de dez de 2011

Doces de bananas



Doces de bananas


              Mais uma sessão nostalgia!
              Tempos bons em que nós éramos felizes e não sabíamos o quanto!
              Não, amores e "amoras"! Não estou triste, apenas estou constatando o quanto precisávamos, e continuamos precisando, de tão pouco para sermos felizes.
              Felizes de verdade!
              Já fiz vários posts contando das receitas de família, de como a vó Anaide diversificava os pratos nos fins de semana, já que durante a semana ela ia trabalhar no armazém dela e do vô.
             Acho que ela se revezava com minha tia Teka. A vó ia pela manhã e a tia TK, à tarde.
             E aos sábados elas cozinhavam juntas. Pelo menos, são estas as lembranças que tenho.
             E quando elas faziam doce de alguma fruta, faziam pelo menos 3 versões.


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


17 de dez de 2011

Tortas de limão

Tortas de limão 1


              Gosto muito de chocolate e em todas as formas de apresentação.
              Mas, sem dúvida a minha sobremesa preferida É a torta de limão.
              E aquela mais simples, de leite condensado encorpado com suco de limão.
              Muito simples, mas de um visual incrível.
              De quebra, mais duas receitas diferentes porque variar, de vez em quando, é muito bom.


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


Cuscuz de quirera

Cuscuz de quirera

              Navegando pelo blog Come-se, descobri que se pode fazer cuscuz com variados ingredientes, salgados ou doces.
              E em uma destas visitas eu vi um cuscuz de canjiquinha (quirera de milho).
              Nunca pensei em fazer  cuscuz com canjiquinha.
              Apesar de conhecer outros pratos feitos com ela, sempre preferi a sopa ou uma versão mais sequinha e cnsistente da sopa.
              Mas já que eu tinha a quirera/canjiquinha em casa, por que não fazer o cuscuz?
              A foto abaixo é do Come-se e para acessá-lo basta clicar no link.


Cuscuz de quirera



Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


Empadão de frango



Empadas salgadas 6
    
              Recentemente fiz uma panelinha de massa, sugerindo que se usasse a panelinha para servir porções individuais de saladas.
              Minha prima Isabel comentou que, no dia em que eu fizesse a mesma panelinha com massa de empada, ela também faria.
              Sugestão dada, sugestão aceita!
              Procurei uma receita de empadão que ficasse legal e fiz.
              Eu achei que não daria muito certo, não, porque eu gosto de massas de empadas que esfarelam até mesmo antes de serem mordidas. Sabe aquelas massas que, em festas principalmente, fazem a gente "pagar o maior mico"?
              Pois é, é deste tipo de massa que eu gosto.
              Mas, sabe que deu muito certo?
              De qualquer forma, qualquer das massas relacionadas aqui e aqui, servem para modelar as panelinhas abaixo.


Panelinhas de massa

              Escolha a tua preferida e faça as panelinhas.


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


14 de dez de 2011

Torta brigadeiro com mel

Torta brigadeiro com mel


              Há muitos anos, quando eu trabalhava em uma loja em um grande shoping do Rio de Janeiro, experimentei uma torta, em uma loja de departamentos, que era vendida por quilo, o que facilitava bastante a minha vida, já que eu podia comer um pedacinho pequeno, sem pesar na consciência, nem na balança, rsrsrs.
             Não que eu me preocupe com dietas. Não mesmo, ou mermo. Sou carioca!!!!!
             Mas, aquela torta em especial, era para ser degustada aos pedacinhos mesmo. Era muito doce e puxa-puxa.
             Era vendida como torta brigadeiro, mas pela textura e pelo sabor eu sabia que não levava leite condensado. Pedir a receita, nem pensar. Lojas de departamentos grandes terceirizam serviços de confeitaria.
             O jeito, então, era testar.


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


13 de dez de 2011

Segredos para preparar tortas crocantes


Torta de limão aerada 1

              Não sou culinarista.
              Nunca fiz cursos de especialização em culinária. Só algumas aulas avulsas em lojas de artigos especializados e assisti a muitos programas culinários.
              E cresci vendo meus pais e minhas avós preparando com tanto carinho, alimentos para nós, nossos filhos e para quem aparecesse.
              Sempre tinha lugar para mais um. O milagre da multiplicação dos pães sempre aconteceu em nossas casas, rsrsrs. Às vezes minha mãe, meu pai ou minhas avós se preparavam para receber x pessoas e apareciam 2 ou 3 xis.
              E as travessas de alimentos sempre brotavam, muito bem arrumadas, mesmo que fosse uma simples assadeira.
              Acho que é por isso que nunca conseguimos fazer pouca comida. Estamos sempre à espera de mais alguém.
              E o prazer de receber sempre foi tão intenso lá em casa, e os elogios aos cozinheiros sempre foram tão efusivos, que me peguei tentando sempre me aprimorar e testar novas receitas e técnicas.
              Já coloquei aqui no blog, os meus segredos para preparar: bolos, suflês, risotos, biscoitos e pães.
              São meus segredos, porque são frutos de observação e testes.
              Observando quem sabe fazer, pegando receitas e dicas de um e de outro e experimentando em minha cozinha, cheguei aos resultados que agradam ao meu paladar e ao paladar dos que frequentam a minha casa.
              Estou sempre aberta a aprender e a experimentar novas dicas.
              Se você tiver uma e quiser compartilhar, sinta-se à vontade.

              E agora, vou compartilhar os meus segredos para se fazer tortas crocantes.
              Durante anos tentei chegar a um resultado que me agradasse.
              Gosto de massas podres, daquelas que desmancham na boca.
              Aquelas massas mais consistentes, que levam líquidos ou a massa de biscoitos triturados têm o seu valor, mas não são as que me fazem suspirar.
              Enfim, acho que agora completei a minha serie de segredos!



              A massa para torta, ao contrario da massa para bolo, deve ser bem crocante e, muitas vezes, "esfarelenta".
              Por isso, ao contrario da massa de bolo, os ingredientes para confeccioná-las devem estar gelados, para absorverem o mínimo de farinha possível e serem moldadas  mais facilmente.

              As massas para tortas são, basicamente, de 3 tipos:

             1- Manteiga, açúcar e farinha.
             2- Manteiga, açúcar, farinha e um líquido.
             3- Biscoitos ou frutas oleaginosas triturados e manteiga. Esta última, como tem por base biscoitos já assados ou frutas que se podem ser consumidas cruas, podem ir ou não ao forno, depende se o resultado desejado é uma massa mais crocante ou mais macia.

Tortas de limão 3

              As duas primeiras seguem as mesmas etapas: fazer uma farofinha com a farinha, o açúcar e a manteiga bem gelada e, em seguida e só se for o caso, acrescentar um líquido, que pode ser um ovo, leite ou água.
              Para chegar à crocância que eu gosto eu sempre acrescento uma pontinha de bicarbonato na massa. Bem pouco mesmo. Algo como meia colher, das de café, para cada 2 xícaras de farinha.
              Além de deixar a massa crocante, o bicarbonato também exerce a função de fermento, mas, no caso de tortas crocantes, eu não quero esta função. Por isso, eu deixo a massa na geladeira, já dentro da forma ou embalada em sacos plásticos, por 2 h depois de acrescentar o bicarbonato.
              Assim, a função de fermento desaparece, mas a massa ficará crocante depois de assada.
              Gordura de coco e gordura hidrogenada também deixam a massa crocante. A gordura de coco é mais saudável, já a hidrogenada prefira usar com muita moderação.

              A terceira é muito fácil e dificilmente dá errado.
              O único problema é que o sabor fica condicionado ao sabor da bolacha escolhida.
              Portanto, escolha bolachas de boa qualidade, amanteigadas ou não, de coco, de chocolate ou comum.

Torta prática de chocolate

              Quebre as bolachas grosseiramente e coloque-as no liquidificador.
              Bata até virar uma farinha e passe por uma peneira.
              Se sobraram muitos resíduos na peneira, torne a batê-los no liquidificador.
              Para cada 200 g de bolachas moídas acrescente de 100 a 150g de manteiga ou margarina. Prefiro usar só 100 g, já que as bolachas já contém gordura.
              Se quiser uma massa mais macia, coloque o recheio e leve para gelar.
              Se quiser uma massa mais crocante depois de forrar a forma com a massa, leve-a ao forno por 15' e só depois recheie.
              Você pode forrar só o fundo da forma ou fundo e lateral.

         
             Uma das minhas grandes dificuldades era a de deixar a massa crocante, mas macia.
             Muitas vezes, na grande maioria da vezes para ser honesta, minha massa ficava muito dura.
             E não foi por falta de pesquisa, não. Cheguei a pedir a receita à uma profissional que vive de fornecer tortas para restaurante. Não sei se foi erro involuntário da pessoa que escreveu a receita ou se houve outro motivo, mas o fato é que a torta ficou tão dura que quebrou um facão de cozinha.
             Quando a receita chegou eu estranhei o fato de que a quantidade de açúcar era a mesma da de farinha. Falei isso para a mensageira, mas ela garantiu que a receita estava correta.

              Ainda bem que o recheio agradou a todo mundo.

         
              - Bom. Modere a quantidade de açúcar. O açúcar vai sempre em muito menor quantidade do que a farinha.
              - Pedacinhos extras de manteiga gelada também ajudam a criar uma textura mais crocante, além de dar mais sabor.
              - Existem receitas em que a massa é pré assada sem recheio e outras que recebem o recheio ainda cruas. Não importa qual seja o caso, eu sempre coloco a massa extremamente gelada, no forno muito quente.
              Sempre que procedi assim, fiquei muito satisfeita com o resultado.

     
             Assar às cegas.
             Atualização em 11/03/2017

             Para não deixar a massa escorregar pela lateral e se depositar no fundo, formando um disco sem espaço para um recheio mais cremoso ou mesmo líquido, ou para tortas que receberão recheio que não vai ao forno ou que irão forno só para dourar a cobertura existem 3 maneiras. Esta técnica de pré assar a massa chama-se "assar às cegas".

              1ª- Depois de colocar a massa no fundo e lateral da forma, fure todo o fundo com um garfo, para que a massa não estufe e cubra tudo com papel alumínio, ajeitando o papel para evitar bolsões de ar. Geralmente isso já resolve.

Assar às cegas 1

              2ª- Massas muito amanteigadas podem escorrer das laterais mesmo com o papel alumínio. Por isso, algo que preencha o espaço interno da torta, fazendo peso na medida exata, às vezes é necessário. Depois de forrar a torta com papel alumínio, preencha a torta com amendoins (assim você torra amendoins e ainda assa a torta perfeitamente), feijões ou, se encontrar nos mercados, já existem bolinhas de cerâmica preparadas justamente para este fim. O único problemas das bolinhas de cerâmicas é que são vendidas em lojas específicas e geralmente nas grandes cidades.

Assar às cegas 2

              Para quem não gosta de usar feijões ou amendoins e não tem onde comprar as bolinhas de cerâmica, esta é a opção perfeita.
              Eu não gosto de usar feijões porque depois eles até cozinham, mas ficam meio duros, encruados e não formam um caldo grosso como eu gosto.
              Então eu prefiro usar sacos de pão embrulhados em papel alumínio. Os sacos de pão estão ao alcance de qualquer um, sempre e são práticos.
              Coloque a massa na forma, forre com uma folha de alumínio e fure com um garfo para o fundo não estufar.

Assar às cegas 3

              Amasse um ou dois sacos de pão, dando a forma aproximada do fundo da torta.
              O papel de pão não corre nenhum risco de queimar no forno, mas eu gosto de embrulhá-lo em alumínio também.
              Depois de embrulhar o saco de pão, encaixe-o na forma cuidadosamente.
              Leve a massa ao forno por 20 a 30 minutos, dependendo da espessura da massa.
              Retire a torta do forno e retire o pacote de pão primeiro e depois remova a folha de alumínio.
              Se achar necessário, leve a torta novamente ao forno para dourar o centro, mas geralmente não é necessário. E se for necessário assar o centro, as bordas já estarão assadas e não escorrerão mais para o fundo.

              3ª- A terceira maneira de não deixar a massa desmontar é a minha preferida. Cubra fundo e lateral da forma com a massa de torta, pincele clara de ovo (além de impermeabilizar, confere uma crocância extra à massa), leve para gelar por 1 h e depois fure toda a massa, levando-a para assar em forno bem quente. O calor do forno vai assar rapidamente a torta, sem dar tempo da manteiga amolecer, desfazendo a lateral da torta.

         
              - Se estiver fazendo uma massa de torta que dê para abrir com um rolo, abra-a na espessura desejada e corte em um tamanho que dê para cobrir fundo e laterais.

Segredos para se preparar tortas crocantes

              Dobre a massa 2 vezes, formando um triângulo.
              Ajuste este triângulo no centro da forma e desdobre-o.
              Ajuste a massa à forma e corte as rebarbas.
              Isso vale para empadinhas também.

              - Se você vai assar uma massa com um recheio muito líquido, pincele clara de ovo no fundo e na lateral da massa e deixe secar, antes de colocar o recheio. A clara de ovo impermeabiliza a massa, impedindo que o recheio embatume a massa.

Segredos para se preparar tortas crocantes


              Só depois que a clara secar, faça os furinhos com um garfo. Se fizer os furos antes, a clara pode fechá-los ao secar.
              - Nunca coloque recheio quente sobre a massa crua. A massa vai ficar embatumada.
              - Quando for assar uma torta fechada com uma tampa de massa, coloque uma assadeira vazia dentro do forno, por 30' antes de colocar a torta.
               Monte a torta na forma própria.
               Leve a torta para gelar e, na hora de colocar no forno, coloque-a sobre a forma preaquecida por 30'.
               O calor da forma quente, aliado ao calor do forno, fará a torta fechada assar por igual.

Raspas de casca de limão

               - Coloque raspas de casca de laranja ou de limão para dar um sabor extra à massa.

Suspiros de claras de ovos

               - Para fazer tortas com massa de suspiro, eu sempre aqueço as claras, em banho-maria, junto com o açúcar até que este dissolva e desapareça.
               Depois coloco na batedeira, bato as claras em neve firme, acrescento açúcar de confeiteiro e, por fim, farinha de oleaginosas.
               Assim, o suspiro ficará mais firme e durará mais tempo.

               Por hora, é só! 'Inté!

Para ver outras receitas de tortas e outras técnicas acesse o Índice 1.
 


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


12 de dez de 2011

Pão fivela, pão roseta e pão tartaruguinha

Pão fivela


              Nem sei o nome deste pão. Quando vi, em um programa culinário, me limitei a anotar a maneira de modelar o pão, que achei muito curiosa.
              Na verdade, já faz tanto tempo que anotei que quase me esqueci de como cruzar as pontas do pão.
              Mas anotei os movimentos e até não foi difícil de modelar.
              Peguei a receita de pão Recife, fiz algumas modificações e modelei este pão.
              Aproveitei para fazer rosetas e uma tartaruginha com a mesma massa.
              Ficou uma delicia!!!!!!!!!!


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


Ambrosia e espera marido/esposa



Ambrosia 1
       
              Mais uma receita de vó, de Sitio do Pica-pau amarelo, Monteiro Lobato, infância despreocupada, pés descalços, crianças correndo, sem medo, pelas ruas do bairro, subindo em árvores, colhendo frutas no pé...
              Tempo em que colheradas de mel era um santo remédio para todos os males, tempo de cadeiras na calçada no final da tarde, jogando conversa fora enquanto se espera, sem pressa, que a noite chegue.
              Tempo em que se vivia, de verdade e com intensidade!!!!


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


Será ambrosia sem ovos?

Doce de leite azedo


              Minha avó Anaide era uma recicladora por excelência.
              Na década de 70, os pães eram embrulhados em papel próprio para isso e amarrados com barbantes (xiiiiiiiiii!!!!!!!!!!!! Entreguei minha idade!!!!!!!!!!!).
              E não é que voinha guardava não só os barbantes, que ela ia amarrando um ao outro assim que chegavam, como também guardava os papéis? O barbante virava peças em crochê e os papeis, geralmente, iam para o armazém para que ela, meu avô e meus tios pudessem fazer rascunhos.
              Alias, fazíamos artesanatos com vários materiais reciclados.
              E na culinária não era diferente.
              Pães velhos não viravam apenas torradas, rabanadas ou farinha de rosca, não. Minha avó fazia doce de pão em calda. Ela simplesmente cortava o pão em pedaços, fazia uma calda de açúcar temperada com cravos da Índia e aferventava os pães nesta calda. Eu amava este doce.
              Quando o leite azedava, ela também colocava os cravos da Índia e açúcar e transformava em doce.
              Eu também gostava deste doce.
              E quando não tinha leite azedo o jeito era azedar o leite.

              Até hoje não sei se este doce tem nome, mas nós chamávamos de doce de leite azedo. Nada mais óbvio.
              Só que, anos mais tarde, conheci uma receita que tem um visual parecido e que recebeu o nome de ambrosia sem ovos. Fica a sugestão.


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


Soborô do jantaro



Salgadinhos


              No feriadão de 15 de novembro, quando meu mano Junior esteve aqui, nós fizemos o que sempre fazemos nestas ocasiões: exageramos na quantidade de alimentos.
             Bom, para ser bem honesta, não exageramos, não. Mas, como é comum nestas ocasiões, minha cunhada fez, no almoço, uma quantidade que desse para o jantar também.
             Mas, quem resiste à um lanche na praia ou à uma pizza fora da programação?
             Resultado: sobras que se transformam no famoso "soborô do jantaro".
             Pessoalmente, arroz e feijão eu gosto fresquíssimos, de preferência fumegantes e gosto de comê-los em canecas, porque o formato da caneca mantém a temperatura.
             Carnes e legumes eu até posso requentar.
             Mas soborô que se preze tem que ser reciclado.
             Então eu aproveitei as sobras para fazer salgadinhos porque, além de tudo, são um excelente quebra-galho quando não estamos a fim de cozinhar à noite, principalmente.


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


11 de dez de 2011

Pão italiano para servir sopa

Sopa no pão italiano 1
   

              Esta postagem é para mostrar como preparar um pão italiano para receber uma porção de sopa.
              O pão deve ser impermeabilizado.


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


7 de dez de 2011

Lelê de canjiquinha


Lelê de canjiquinha 1


              Meu irmão Junior veio me visitar no feriadão de 15 de novembro, junto com sua esposa e filha.
              Todos gostamos muito de cozinhar. Esse irmão, inclusive, fez curso de culinária no SENAC.
              Então, nada mais natural para nós, do que fazermos uma programação culinária que, na maioria das vezes, não é cumprida.
              Moramos em cidades diferentes atualmente e como eu já disse em varias oportunidades, metade da família é nordestina e metade é fluminense/carioca.
              Por isso, receitas  nordestinas são uma constante em nossa mesa e, também pelo mesmo motivo, na bagagem de meu irmão veio um pacote de canjiquinha e outro de tapioca, que não chegaram a ser abertos, rsrsrs.


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


5 de dez de 2011

Árvore de natal de chocolate

Árvore de natal de chocolate


              Este é um protótipo de minha árvore de natal de chocolate.
              Minha filha disse que está parecendo aquele chapéu esquisito do filme Harry Potter, aquele que escolhia os dormitórios dos novos alunos. Sniff!! Sniff!!  Sniff!!
              Mas, é só um protótipo!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
              Eu nunca tinha feito uma árvore de chocolate!!!!!!!!!!!!!
              Bom, foi divertido. Mas quer saber?
              A próxima árvore virá da confeitaria mais próxima!!!!!!!!!!!!!


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


Panela de massa

Panela de massa


              A primeira vez que vi uma travessa de massa cozida foi em um programa de tv.
              A Luzinete Veiga preparou um arroz de festa, creio que era fim-de-ano, e serviu em uma panela de massa, com a tampa decorada com uma flor e folhas da mesma massa.
             Achei belíssima a apresentação, mas achei um desperdício.
             Conhecendo minha família como conheço, tenho certeza de que ninguém comeria a panela depois que diversas mãos tivessem tocado nela. Ao final da refeição, a panela iria para o lixo.
             Mesmo assim, guardei a receita.
             Então, pensei cá com minhas panelas, por que não fazer potinhos individuais e servir uma porção de salpicão, salada ou mesmo de arroz de festa?
              E não é que a travessinha ficou linda?


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


Cuscuz de tapioca

Cuscuz de tapioca


            Como metade da minha família é nordestina, mais precisamente o lado materno, cresci comendo ou pelo menos vendo muito cuscuz de tapioca e de leite, que é feito com flocos de milho.
            Digo vendo porque o cuscuz de leite não me apetecia muito, não.
            Tanto não me apetecia que só aprendi a fazer o cuscuz de leite depois que me casei e foi a minha sogra, que é paraense, quem me ensinou.
           Eu não gostava do cuscuz de leite porque eu não gostava de leite frio adoçado. Leite eu só tomava puro, gelado e sem açúcar ou com achocolatado. Portanto, a versão adoçado, gelado ou morno com o cuscuz de milho não me atraia.
           Hoje já até aprendi a fazer a versão do cuscuz de milho salgado e aprecio muito.
           Outros tipos de cuscuz eu só conheci há cerca depois que minha mãe foi morar em S Paulo.
           Esta versão de cuscuz de tapioca quem me ensinou foi minha tia Eneida, irmã de mainha e é a minha preferida.


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros