7 de dez de 2017

Lombo de porco com licor de pêssego



Receitas de todos nós

                Gosto muito de carne de porco agridoce e bem macia.
                Antigamente costumava fazer pernil de porco marinado no vinho tinto, mas para ser sincera o aroma residual do vinho me incomodava um pouco. Quando não se tem o hábito de beber o cheiro incomoda. Curiosamente, minha mãe sentiu falta do aroma e sabor residual do álcool, mas ficou exatamente como eu queria.
                Como fiz muitos licores e os fiz usando vodka, que não tem cheiro, nem sabor muito acentuado, resolvi marinar o lombo de porco no licor de casca de pêssego, que também tem sabor suave.
                Ficou perfeito!
                Fiz com licor de casca de pêssego, mas com licor de laranja, de maracujá, de amoras ou de jabuticaba também ficaria maravilhoso.


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


5 de dez de 2017

Torta de amoras



 Torta de amoras 1

              Minha amoreira ficou uns 3 anos sem dar frutos por conta de uma poda mal feita.
              Felizmente, com muito carinho, ela se recuperou e embora ainda não esteja frutificando como antes (vamos chegar lá) já deu bastante frutos.
              Então resolvi preparar uma torta como sugestão para as festas de fim de ano.
              A mesma receita pode ser feita com jabuticabas, framboesas, blueberry (mirtilo) e até com uvas vermelhas, vinho e pretas (como a rubi por exemplo) frescas e o melhor é que, tanto as jabuticabas, quanto as amoras, podem ser congeladas, já que são frutas sazonais e não se encontram o ano todo nos mercados.
              Portanto, se você tiver acesso a estas frutas, compre uma bela quantidade e congele.
              Elas poderão ser usadas tranquilamente depois de descongeladas.
              Aliás, como eu tenho apenas um pé de cada fruta, costumo congelá-las à medida que vão amadurecendo até conseguir uma quantidade que me permita preparar sucos, doces e geleias.
              Se não tiver as frutas frescas para bater em casa e assim aproveitar o bagaço na massa, faça a torta mesmo assim, usando suco de uva industrializado, de boa marca, e faça a massa sem o bagaço, acrescentando um pouco mais de manteiga, para dar o ponto, se for necessário.
              Fica a dica.



Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


19 de nov de 2017

Chester defumado com rosas de batata



Chester defumado 1

                Ano passado eu fiz o peito de peru defumado e no ano novo eu resolvi preparar um chester inteiro defumado.
                Na verdade eu fiz um blesser, que é a ave similar de outro fabricante e eu estava querendo saber se era possível defumar uma ave inteira na boca de um fogão comum, doméstico.
                E ficou perfeito.
                Então seja blesser, seja chester, seja fiesta ou mesmo seja um peru, o importante é caprichar para a família.
                 A defumação acaba rasgando a pele nos pontos onde é mais delicada. Pensei em retirar a pele quando o blesser estava pronto, mas meus filhos pediram para deixá-la.
                 Fica a sugestão: ouça seus filhos e prepare seu banquete.



Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


13 de nov de 2017

Rosas de batata

Receitas de todos nós

                E já preparando o Natal...
                Esta receita eu vi neste blog aqui e achei muito legal, principalmente para complementar a decoração de pratos festivos, como os assados de fim de ano.
                Achei que seria bem trabalhoso enrolar as pétalas, mas até que foi bem fácil.
                Então servindo em uma travessa só para elas ou compondo uma travessa de assados, encante familiares e amigos com estas delicadas rosas.


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


12 de nov de 2017

Torta de maçã com pão de ló



Torta de maçã sueca 1

                Recentemente eu fiz uma torta de maçã com pudim de baunilha no recheio.
                Eu estava querendo fugir do tradicional purê de maçãs e do creme de confeiteiro com maçãs.
                E queria algo simples, sem muitas adições de ingredientes, então apenas misturei o pó para pudim no recheio.
                Por coincidência achei esta receita de tortas de maçãs que também leva pudim de baunilha no recheio, mas que a massa é diferente da de todas as tortas de maçãs que já fiz. A massa é de pão de ló.
                Claro que resolvi prepará-la.
               A receita original pode ser conferida aqui.


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


5 de nov de 2017

Aceto balsâmico e vinagre de jabuticaba



Aceto balsâmico e vinagre de jabuticaba 1

                Depois que eu fiz uma versão genérica do aceto balsâmico, e tendo uma jabuticabeira em casa, nada mais natural do que experimentar fazer o aceto, ou vinagre balsâmico (já que o termo aceto é aplicado ao produto produzido na Itália) com a jabuticaba.
                O aceto balsâmico original pode levar até 60 anos para ficar pronto e é preparado com 2 espécies de uvas brancas (uvas Trebbiano e Lambrusco), na região de Modena, na Itália e segue uma rígida legislação para receber o nome de aceto balsâmico.
                Fiquei mais interessada porque o suco da jabuticaba é espesso e certamente iria produzir um vinagre balsâmico bem próximo ao original na questão da consistência.
                E tendo tanta jabuticaba em casa, por que não fazer também o vinagre?
                Fico imaginando que o açai e a amora também dariam um belíssimo vinagre balsâmico.
                Para quem não conhece ou não tem hábito de consumir aceto balsâmico, ele pode ser usado para temperar saladas, para preparar molhos para assados ou grelhados, para temperar carnes antes de assá-las e há quem use até como calda para sorvetes e sobremesas.


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


1 de nov de 2017

Vinagre de maçãs



Vinagre de maçãs 1

                Hoje em dia encontra-se, com muita facilidade e bons preços, produtos de qualidade nos mercados.
                Mas muitas vezes queremos surpreender a família e/ou amigos com preparações feitas por nós.
                Quem nunca presenteou amigos e familiares com produtos comestíveis feitos em casa, não sabe o prazer de quem recebe e de quem oferece. Principalmente quando foi feito pela mesma pessoa que presenteou.
                Depois de fazer molhos, temperos, geleias e biscoitos em casa, chegou a vez de testar  a receita de vinagre.
                Comecei com o de maçãs e de jabuticaba, além de fazer o vinagre balsâmico de jabuticaba.
                Pesquisei algumas receitas e estou fazendo a minha adaptação.
                Misturei duas outras técnicas, seguindo minha intuição, já que eu estava muito interessada em criar a "mãe de vinagre", que é uma substância gelatinosa que se forma na superfície do líquido em fermentação e me parece que em soluções diluídas em água, esta placa pode não se formar ou demorar mais a se formar. Não consegui desenvolver esta placa gelatinosa conhecida como mãe do vinagre (quem quiser saber a que me refiro acesse este link aqui), mas meus vinagres ficaram ótimos, com uma única exceção. Ainda não desisti. Um dos meus fermentados está na segunda fermentação a apenas 1 mês. Vou deixá-lo no armário por mais 4 a 5 meses para ver se se forma esta colônia de bactérias. E quando eu conseguir, faço nova postagem.
                O processo básico da transformação de frutas em vinagre "... é dividido em dois tipos sucessivos de fermentação. A primeira se dá em meio anaeróbio, e converte açúcar em álcool. A segunda, em meio aeróbio, transforma o álcool em ácido acético." (fonte: Come-se).
                É demorado, mas não é complicado.
                Além de ser ótimo para temperar saladas e preparar diversos pratos, também há indicação terapêutica para o uso do vinagre, inclusive como auxiliar nas dietas de emagrecimento, mas não sou nutricionista ou endocrinologista, então não tenho com entrar neste mérito. Mas se você tem indicação de um profissional da saúde, aqui você aprende como fazer seu prórprio vinagre.



Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


23 de out de 2017

Purê de batata doce e outros



Purê de batata doce 1

                Purê de batata doce é uma guarnição que acompanha muito bem uma ave assada, especialmente o peru.
                Não é muito comum por estas bandas, mas é tão leve e sutil que fará bonito em qualquer mesa.
                E para ficar mais bonito ainda na mesa de fim de ano, transforme o purê de batata doce em batatas duchesse. Simples e de grande efeito visual.
                Aproveitando o ensejo, fiz também batatas doces coradas e batatas doces chips.
                Recentemente uma amiga me contou que o patrão dela pediu-lhe que fizesse batas doces fritas. Curiosamente ela nunca tinha comido batata doce desta forma e por alguns minutos ela se sentiu confusa, sem saber como preparar o petisco. Mas como ela é uma excelente cozinheira, é claro que se saiu muito bem e acabou gostando muito da novidade. Novidade para ela, é claro.
                Então pensei que, a exemplo do que aconteceu com ela, muitas pessoas não tem o hábito de fritar batata doce. Por que não mostrar como se faz?


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


Quibebe



Quibebe 1

                Esta é uma muito simples de fazer.
                E vai muito bem com carnes assadas bem sequinhas ou com carne seca, seja na paçoca, seja refogada ou frita.
                É um prato de origem africana e muito conhecido especialmente no nordeste brasileiro.


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


11 de out de 2017

Canjiquinha com costela de porco



Canjiquinha com costela de porco 1

                Canjiquinha, para quem não sabe, é xerém de milho ou milho picadinho.
                Nós gostamos muito de sopa de canjiquinha e de canjiquinha preparada desta maneira que apresento aqui.
                Fiz, em uma ocasião, com costelinha de porco fresca e, depois que comecei a salgar carnes em casa, fiz com costelinha salgada.
                De quebra, terminei de preparar a costelinha salgada no forno. Ficou perfeita para acompanhar a canjiquinha.


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


4 de out de 2017

Bananada na casquinha


Bananada na casquinha 1

               Gosto muito  contraste do crocante da casquinha de biscoito com um recheio macio de um doce cremoso.
               E se este doce for finalizado com miçangas coloridas de açúcar, a festa está completa.
               Uma boa pedida para o dia das crianças.


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


28 de set de 2017

Queijadinha da Gisa



Queijadinha da Gisa 1

                Toda vez que faço ovos moles de canequinha, doce de gemas ou baba de moça eu penso que estes doces dariam uma bela base para uma queijadinha.
                Me lembro das queijadinhas da minha infância e adolescência, que eram bem amarelinhas e úmidas e não consegui achar até hoje uma receita que se aproximasse delas.
                Hoje eu resolvi experimentar a base de baba de moça e postar o resultado.
                Ficaram maravilhosas!
                Exatamente o que eu desejava.


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


20 de set de 2017

Carne de sol com macaxeira



Carne de sol com macaxeira 1


                A primeira vez que salguei uma peça de carne (leia aqui) em casa usei coxão mole/chã de dentro, que é uma carne muito macia, própria para bifes.
                A minha intenção era fazer a carne seca, que é mais seca e firme do que a carne de sol, mas a espessura da peça que comprei, acabou me inspirando a tirar um pouco antes do sal.
                Esta é a diferença básica da carne de sol para a carne seca. A de sol leva menos sal e fica menos tempo mergulhada em sal. Por isso fica mais macia e suculenta.
                Ideal para preparar este prato. que é uma refeição completa.


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


6 de set de 2017

Torta de limão levemente aerada



Torta de limão aerada 1

                Há uma rede de restaurante muito famosa que mantém 6 formatos diferentes de serviços, desde restaurantes até cafés e serviço de refeições rápidas em praças de alimentação em shopings.
                Tudo é feito com muito carinho e o resultado são  pratos deliciosos e primorosamente montados.
                As tortas, sorvetes e sanduiches feitos em croissants gigantes de massa folhada são uma verdadeira tentação.
                Entre todas as opções, a torta de limão é a mais pedida por minha família.
                E se você encontrar um quiosque em algum ponto do seu caminho, não deixe de tomar uma xícara de café expresso com creme chantilly ligeiramente ácido. É imperdível.
                E para minha grata surpresa, o site da empresa disponibiliza algumas de suas receitas mais conhecidas.
                Na verdade, resolvi fazê-la a pedido de minha mãe, a alguns anos, que sempre pedia esta torta quando ia ao shoping com sua filha caçula, a Miriam. Mais uma receita com gostinho de saudades.
                Para ver a receita original clique aqui.


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


30 de ago de 2017

Costela de porco com molho barbecue



Costela de porco com molho barbecue 1

                Costela de porco com molho barbecue certamente é um prato que dispensa apresentação.
                Carne macia e úmida, bem temperada e com um delicioso molho agridoce, faz a alegria de muitos em reuniões mais informais, incentivando o convívio e dispensando qualquer pressa em ir embora.
                É algo para ser saboreado com a mesma intensidade com que é preparado.
                E para ficar ainda mais especial, prepare seu próprio dry rub e molho barbecue.
                Dry rub é um mix de temperos e ervas secas, que serve não só para temperar, mas também para selar a carne, formando uma crosta que retém o sumo. Assim como o molho barbecue, é um tempero tradicional dos churrasqueiros americanos.
                Como todo mix de temperos cada um acaba tendo a sua receita.
                Usei os temperos mais básicos e eliminei alguns que não são muito tolerados pela minha família. Saúde é primordial.
                 Então faça a receita na íntegra ou use-a como uma inspiração para criar seu próprio dry rub e seu próprio molho babrbecue.
                 Chame os amigos e família e bom apetite!


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


23 de ago de 2017

Aceto balsâmico genérico



Aceto balsâmico genérico 1

                O aceto balsâmico nunca esteve presente em nossa mesa. Falta de oportunidade, apego às receitas mais tradicionais da família e uma pequena resistência de alguns às novidades.
                Mas, de repente, não mais do que de repente, passei a querer não só experimentar novos produtos, como também a preparar as versões genéricas sempre que possível.
                Foi assim que resolvi preparar molho babrbecue em casa e pesquisando várias receitas achei uma ou duas que levam o balsâmico na preparação.
                Pesquisando uma outra receita achei um blog que ensinava uma receita de vinagre balsâmico, algo que eu nem suspeitava ser possível fazer em casa. Aliás, pela falta de hábito de consumo, nem sabia qual era a base do aceto balsâmico.
                Enfim, feita a descoberta da primeira receita (que não posto aqui porque ela é envelhecida em um tonel de madeira, por 1 ano, portanto, vai ficar para uma próxima ocasião), fui atrás da história e de receitas mais básicas.
                Aqui posto 3 receitas simples.


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


16 de ago de 2017

Nhoque de camarão



Receitas de todos nós

               Há tempos fiz rissoles de camarão e a massa ficou muito parecida com a minha massa favorita de nhoques.
               Então resolvi usar a mesma massa para fazer nhoques.
               Ficaram perfeitos e deliciosos!!!!


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


9 de ago de 2017

Paçoca de carne seca



Paçoca de carne seca 1

                Algumas pessoas ainda podem estranhar o nome deste prato, especialmente os naturais das regiões sudeste, acostumados mais às paçocas doces principalmente a de amendoim, e sul do Brasil.
                A palavra paçoca é de origem indígena, vem do tupi passoc, que quer dizer moer em pilão, como eram feitas as paçocas de amendoim por aqui (alguns ainda as fazem assim e são incomparáveis).

Paçoca de carne seca 2
                                                  (Imagem retirada da internet)

               Infelizmente nem sempre temos tempo para preparar esta delícia em um pilão e nem mesmo espaço em nossas cozinhas para guardar este utensílio tão ornamental.
                E em um país tão grande como o nosso, as receitas de paçoca de carne também variam começando pela carne que pode ser de sol, carne seca ou carne assada, acrescida de farinha de mandioca, temperos e, dependendo da região, sementes e grãos como o de milho.
                Aqui uma versão bem simples, mas não menos deliciosa, feita com carne seca e temperinhos básicos.
                Sirva com arroz branco e quibebe (purê de abóbora bem encorpado) e delicie a todos.
                Ah! Por que não desfiar a carne simplesmente e misturar a farinha?
                Porque o atrito do pilão ou da raquete da batedeira irá liberar com muito mais intensidade os aromas e sabores dos ingredientes utilizados, formando uma mistura úmida e única.


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


2 de ago de 2017

Cassoulet



Cassoulet 1

                Cassoulet, também conhecido como feijoada francesa, é um cozido/guisado feito com feijão branco e carnes, que podem ser de porco e/ou aves (frango, pato, perdiz, ganso...) ou carneiro, de acordo com a disponibilidade da região.
                O nome vem do recipiente no qual o prato é preparado: cassoulet é uma panela de barro.
                Conta-se que o cassoulet é um aprimoramento de uma receita árabe, que levava feijão branco e carne de cordeiro, mas a história mais difundida é que o prato era preparado para os soldados franceses durante a guerra dos cem anos (1337-1453), entre a França e a Inglaterra.
                Por causa do cerco à cidade de Castelnaudary, havia escassez de alimentos e as mulheres lançaram mão dos ingredientes disponíveis, cozinhando-os na (ou no) cassoulet, por várias horas, com temperos locais.
                Enfim, esquecendo a trágica criação do prato, os franceses revigorados expulsaram os ingleses, e nós ganhamos uma delícia gastronômica.
                Como sempre acontece, as receitas variam de cidade para cidade e até de família para família, como acontece com tantos outros pratos.
                Eu, por exemplo, aproveitei um corte de boi, frango, bacon e linguiça, além de usar os temperos que sempre tenho em  minha cozinha. E, por não ter ainda minhas tão sonhadas panelas de barro, usei as panelas de uso diário.
                Siga o roteiro e crie o seu cassoulet ou faço igual ao meu.


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


26 de jul de 2017

Bolinho de carne seca com abóbora



Receitas de todos nós

                É indiscutível que carne seca e abóbora fazem um par perfeito.
                A suavidade da abóbora é um contraponto delicioso para a rusticidade da carne.
                E este bolinho é uma agradável surpresa: a abóbora entra na massa.
                Perfeito para todas as horas.


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


19 de jul de 2017

Broinha de fubá



Broinha de fubá 1

                Sempre gostei de broinha de fubá.
                Acho que é uma das receitas de forte apelo emocional, já que meus pais costumavam lanchar broinha de milho com refrigerante de laranja depois que colocavam seus filhos para dormir, já no começo de minha adolescência.
                Lembro que a última novela era proibida para nós (até que fizéssemos 12 anos) e algumas vezes papai comprava broinhas de fubá e refrigerante de laranja para eles lancharem enquanto assistiam à tv, quando sozinhos.
                Me lembro também de uma vez quando tive autorização para ficar acordada e compartilhar deste lanche e ver a novela. Me senti tão adulta!!!!!!
                É claro que no café da manhã elas também tinham presença garantida, pela leveza e sabor.
                Como a vida era mais simples e leve nesta fase!!!!!


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


12 de jul de 2017

Bolo cremoso de fubá



Bolo cremoso de fubá 1

                Bolos de fubá podem ficar ressecados com mais facilidade do que os feitos com outras farinhas.
                É claro que existem maneiras de deixar a massa mais úmida.
                Até que de vez em quando eu gosto de um bolinho de fubá mais seco. Com café quentinho fica ótimo.
                Mas em geral prefiro as massas mais úmidas.
                Esta massa feita com polenta doce como base é espetacular.


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


5 de jul de 2017

Feijão com abóbora



Feijão com abóbora 1

                "Ninguém sabe tanto que não possa aprender e nem sabe tão pouco que não possa ensinar".
                Como isso é verdadeiro!!!!!
                Sou carioca e como tal, feijão preto sempre esteve presente em nossas mesas. Todo santo dia e dia santo também!
                Desde que aprendi a prepará-lo, coloco pelo menos um pedacinho de carne seca e toucinho fumeiro (bacon) para temperar. Você pode dizer que isso é feijoada, mas um pedacinho só faz uma feijoada????
                 E sempre amei, quando tinha abóbora cozida, amassar a abóbora e misturá-la ao feijão. Mas lá em casa sempre cozinhamos a abóbora descascada e em separado.
                 Ai me casei e descobri que minha sogra costumava cozinhar a abóbora com casca dentro do feijão. Acabei incorporando este hábito, já que meu (ex) marido gosta muito de comer a abóbora no feijão, incluindo a casca, que sempre deixei para ele.
                 Anos depois, quando meu irmão Auli casou, aprendi com minha cunhada Martinha a colocar algumas folhinhas de manjericão para aumentar o sabor.
                 Outros anos mais, e minha mãe aprende com uma amiga a colocar suco de maçã com laranja na feijoada para cortar a gordura e torná-la mais leve e mais digestiva.
                 Juntando todos estes novos aprendizados, meu feijãozinho de todos os dias foi ficando cada vez melhor.
                 Hoje eu estou morando em outro estado e o feijão preto foi substituído pelo carioquinha preparado apenas com linguiça calabresa, mas para matar a saudade...


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


28 de jun de 2017

Carne seca artesanal



Carne seca caseira 1
               
                É sempre bom saber como preparar em casa alguns ingredientes que usamos sempre.
                Comprar produtos processados industrialmente é muito prático, mas saber processá-los em casa também é.
                É o caso da carne seca.
                Hoje moro em uma cidade onde não é muito fácil encontrá-la em mantas, o que permite que escolhamos melhor o pedaço a comprar. As que já vem empacotadas são sujeitas a surpresas nem sempre agradáveis.
                Então resolvi pesquisar e descobri que é muito fácil prepará-las em casa, em pequenas quantidades. E é o tipo de coisa que você pensa: por que nunca fiz isso antes?????
                Talvez porque, morando no Rio de Janeiro, em qualquer feira-livre, que são diárias, você encontra carne seca de qualidade e variedade. Então nunca precisei prepará-las em casa.
                Enfim, eis aqui o resultado da minha experiência. Espero que ajude a muitos.
                A propósito: a diferença entre a carne de sol, a carne seca e o charque basicamente é a quantidade de sal e o tempo de cura (secagem da carne).
                É claro que a carne processada industrialmente deve levar outros tipos de conservantes, mas a preparada artesanalmente é basicamente isso: carne e sal.


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


27 de jun de 2017

Armazém Fina Estampa



Armazém Fina Estampa 1



                O Receitas de todos nós é meu/nosso caderno de receitas virtual.
                A intenção é compartilhar boas receitas de família e levá-las sempre conosco.
                Por isso não costumo divulgar serviços ou sites, nem adicionar propaganda.
                Mas, família é família e a exemplo do que faço divulgando os trabalhos de minha prima Marisa e minha cunhada Fernanda, boleiras de mão cheia (vejam nos gadgets à esquerda), venho agora divulgar o site de meu filho Márion, que adquiriu uma franquia no ramo de camisetas.
                Há um grande número de estampas para escolher, todos os tamanhos e também a possibilidade de encomendar estampas personalizadas, seja apenas 1 ou um conjunto para abrilhantar qualquer evento público, familiar ou entre amigos.
                Visite o site Armazém Fina Estampa e acesse a página no Facebook e confira as ofertas.
                Ele terá todo prazer em atender ao seu pedido e prestar qualquer informação.
                Gratíssima pela atenção, Gisele.








Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


21 de jun de 2017

Arroz doce caramelizado



Arroz doce caramelizado 1

                 Esta receita me foi passada pelo meu amigo querido Bruno, que por sua vez achou a receita na internet e gostou muito.
                 De cara a receita me chamou a atenção pela cor, um caramelo lindo.
                 Depois a ideia de colocar açúcar caramelizado no arroz doce é perfeita porque deixa o doce menos doce e menos enjoativo e mais aceito por quem não é muito fã do doce.
                 A receita original você pode ver aqui.
                 Obrigada, Bruno. Deus te abençoe!


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


14 de jun de 2017

Brigadeiro de milho verde



Brigadeiro de milho verde 1

                Recentemente fiz um bolo de milho verde, o manauê, e um pão também com milho verde.
                Aproveitei para preparar creme de milho e, naturalmente, cozinhei algumas espigas em água e sal, que é a forma preferida de consumo aqui em casa.
                Sobraram 2 espigas, de um total de 24 que compramos, então resolvi experimentar fazer um brigadeiro de milho.
                Também é possível fazer este brigadeiro com pó saborizante para sorvete, mas vamos combinar, nada supera o sabor natural do milho fresco.


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


7 de jun de 2017

Brigadeiro Romeu e Julieta



Brigadeiro Romeu e Julieta 1
             
                Já publiquei uma receita de brigadeiro de queijo, que já é uma delícia e menos doce do que o brigadeiro branco puro.
                Recentemente navegando na internet vi a receita de um brigadeiro Romeu e Julieta, mas a goiabada eram misturada à massa do brigadeiro.
                Não sei se foi por isso ou se quem fez o brigadeiro retirou do fogo antes do tempo, mas achei o brigadeiro um pouco mole, já que a bolinha ficou meio achatada.
                É normal retirarmos o brigadeiro branco um pouco antes do tempo do fogo, já que esta variação do doce queima muito mais fácil do que o de chocolate.
                Então resolvi fazer a minha versão de Romeu e Julieta, deixando a goiabada como recheio e decoração e fazendo a massa com 2 tipos de queijo.
                Ficou maravilhoso!


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


31 de mai de 2017

Biscoito de polvilho e coco



Biscoito de polvilho e coco 1

                Este é um biscoitinho do tipo que desmancha na boca.
                Perfeito para acompanhar o chá ou o lanche da tarde.
                E a textura da massa com certeza vai fazer qualquer criança desejar ajudar a modelar.


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


24 de mai de 2017

Manauê de milho verde



Manauê de milho verde 1

                Minha mãe conta que meu avô Amaro costumava comprar sacas de milho verde de tempos em tempos e minha vó Anaide passava horas ralando as espigas e preparando diversos pratos com a massa. Herança dos tempos coloniais em que havia uma diversidade grande de pratos na hora do café da manhã e da merenda da tarde, que substituía, muitas vezes, o jantar. Era o que eles chamavam de ceia.
               Nossa prima Nelma (prima-irmã de minha mãe) me pediu a receita de manauê de milho verde, mas a nossa geração não chegou a provar deste bolo específico. Então o jeito foi pesquisar na internet.
                Eu já conhecia o manauê de mandioca/aipim/macaxeira e o primeiro manauê de Recife que achei era de fubá, mas meio que descartei esta receita, por conta das história das espigas de milho.
                A minha mãe lembrou que a mãe dela fazia este bolo quando ainda morava no Recife e que quando ela chegou no Rio de Janeiro já não fazia mais. Por isso a minha geração já não conhece a receita da vovó.
               Achei algumas receitas na internet, inclusive uma que é de fubá, mas resolvi preparar uma de milho verde, mudando o modo de fazer, adaptando ao meu tempo disponível.
               É hora de fazer a ponte entre o passado e o presente!!!!!
               'Bora lá??????

               Ah! Resolvi inverter as fotos (normalmente eu coloco a foto do bolo inteiro primeiro e depois da fatia) porque este bolo, mesmo não levando ovo, cresce muito, cria uma casquinha e depois murcha. Então as bordas dele ficam irregulares e esteticamente esquisitas, mas resolvi deixar mesmo assim para que quem for fazer o bolo não se assuste com o jeitinho meio desengonçado da borda. Ele é assim mesmo e é muito gostoso.
               E é por isso também que a fatia parece um trapézio bem irregular, menor na parte interna e maior na externa.
               Uma pena que a minha mãe disse que não é o manauê da vovó.
               Mas que eu tentei, eu tentei!!!!!


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


17 de mai de 2017

Sardinha assada



Sardinha assada 1

                Esta receita me foi passada por minha sogra, d Iracema, que aprendeu com a sua cunhada.
                Na verdade foi mais uma dica, já que costumávamos sempre preparar as sardinhas fritas, empanadas em fubá.
                Visitando a sua cunhada, minha sogra provou a sardinha cozida em panela de pressão, com um rico molho de tomate e sugeriu que eu fizesse assim também.
                É o clássico "ovo de Colombo". Tão simples...
                Enfim, para variar a sardinha nossa de todo fim de semana, faça assada no forno.
                Ah, sim! Assada no forno.
                Peixes cozinham tão rápido, né? Para que usar a panela de pressão se um pirex já vai à mesa?
                E nada mais prático para o fim de semana do que abrir um pote de molho de tomate caseiro, que você já preparou anteriormente, e montar um pirex com belas sardinhas.
                Incremente o molho com mais alguns temperinhos tais como coentro em sementes ou folhas, manjericão, pimenta do reino moída na hora... e o que mais agradar ao paladar.


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


10 de mai de 2017

Petit-four de tomates secos



Petit-four de tomates secos 1

                De vez em quando minha mãe lembra de algo que comeu, gostou, mas não tem a receita.
                E lá vou eu atrás da receita original ou de algo que seja parecido.
                E é uma batalha, afinal, quem comeu foi ela e procurar algo que você talvez nunca tenha visto ou que não se lembra de ter visto é uma dificuldade.
                Então resolvi pegar uma das minhas receitas já testadas e aprovadas de petit-four e acrescentar um purê de tomates secos.
                E não é que deu muito certo?


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


3 de mai de 2017

Cuscuz de arroz



Cuscuz de arroz 1

                Durante muito tempo eu só conhecia 2 tipos de cuscuz: o de milharina e o de tapioca.
                Com o passar do tempo, descobri o cuscuz paulista e o marroquino.
                Até que um dia aprendi a fazer farinha de arroz e a minha mãe se lembrou do cuscuz de arroz que a mãe dela fazia.
                Então lá fui eu descobrir como preparar o tal cuscuz e amei!!!!
                É fácil de fazer, leve e o mais trabalhoso (mas nem tanto assim) é preparar a farinha.
                Então, mãos à obra!
                Ah! E foi a primeira vez que usei um funil encaixado na válvula da panela de pressão para cozinhar o cuscuz.


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


26 de abr de 2017

Pão recheado com queijo cremoso



Pão recheado com queijo cremoso 1

                É notório que uma boa apresentação é muito importante na culinária.
                Afinal também "comemos" com os olhos.
                De vez em quando uma modelagem de pão chama a minha atenção e com estas lindas florzinhas de massa de brioche não foi diferente.
                Então resolvi preparar os pãezinhos em duas versões: salgada e a versão original doce. Ambas maravilhosas.
                Faça como eu, prepare as duas versões e delicie-se.


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


19 de abr de 2017

Azeites defumados



Azeites defumados 1

                Ano passado, na final de uma competição culinária, uma competidora saborizou um azeite com um carvão em brasa.
                Achei muito interessante e depois disso vi mais 3 ou 4 chefs usando o mesmo recurso para saborizar o azeite.
                Recentemente estreou um novo programa em que todos os pratos são "defumados" em um braseiro.
                Bom, eu já havia feito uma postagem sobre óleos e azeites aromatizados e tenho feito muitos pratos defumados (peixes, aves, carnes...), então resolvi fazer este azeite defumado com carvão em brasa, outro azeite defumado com a minha serragem caseira e saborizado com algumas especiarias e ervas frescas.
                O resultado vocês podem ver a seguir.
                A propósito, o azeite saborizado com carvão tempera carnes vermelhas grelhadas, os demais azeites podem ser usados sobre qualquer preparação dependendo da serragem e das ervas desidratadas ou frescas usadas. Inclusive há quem saborize azeite com fava de baunilha para ser usado sobre frutas frescas ou sorvetes.
                Prepare pequenas porções de azeite, para consumo em até 1 mês, principalmente os com ervas frescas. Óleos e azeites ficam rançosos e estes azeites aqui estão alterados pelo aquecimento e pelos ingredientes extras.


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


12 de abr de 2017

Queijadinha do Auli Junior



Queijadinha do Auli Junior 1

              Eu já havia publicado esta receita de queijadinha aqui, junto com outras receitas de queijadinha, mas a queijadinha do meu irmão Auli Junior é tão maravilhosa que merece uma postagem única.
              Quando eu fiz a queijadinha do meu irmão, eu fiquei meio frustrada porque não ficou igual à dele. Nem na aparência, muito menos no sabor.
              É até natural, já que a mão do chef, o toque pessoal de cada um realmente faz a diferença na execução de uma receita.
              Mas olhando bem as fotos que tirei quando fiz a receita dele para postar no blog, vi um erro crucial, que meu irmão nunca cometeria: troquei o queijo minas padrão pelo queijo da canastra, já ralado e industrializado. Meu irmão jamais faria isso. Ele é muito exigente com os ingredientes que usa. E isso faz TODA a diferença.
              A queijadinha com o queijo da canastra industrializado não ficou ruim, não. Mas sem dúvida, NÃO É a queijadinha do Junior. Foi mal, maninho. Perdoe a minha heresia!!!!!!
             Então atenção à escolha dos ingredientes.
             No final eu posto uma foto do queijo minas padrão, que é diferente do queijo minas frescal.
             Mas, na falta do queijo minas padrão, não deixe de fazer a queijadinha. Só procure comprar um queijo bom, 1/2 cura ou curado, e em pedaço, para poder ralar em casa. Também faz muita diferença ralar o queijo e o coco na hora. Eles mantém a umidade e o sabor.
             E para quem quer ver o resultado da receita com ingredientes diferentes acesse aqui.


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


5 de abr de 2017

Licor de jabuticaba



Licor de jabuticaba 1

                Este foi o primeiro licor que eu tive vontade de fazer.
                Se não me engano, vi a receita pela primeira vez no livro da D Benta - Comer Bem e sempre fiquei encafifada (glup! Entreguei minha idade! Ai, meus sais...) com o fato de ter que colocar um pedaço de carvão dentro do vidro, junto com as frutas.
                Como nunca fui de beber, acabei adiando o preparo do licor.
                Mas, quando fui preparar meus licores para fazer as trufas (ano passado) achei um pote com jabuticabas congeladas.
                Não é o ideal e as jabuticabas estavam meio desbotadas, mas até que o licor ficou com uma cor bonita e ficou muito gostoso.
                Ah! O carvão?
                A única explicação que ouvi é que a jabuticaba é a única fruta que fermenta de um jeito inadequado para um licor e o carvão funciona como filtro para inibir esta má fermentação. E não se preocupe, o mesmo carvão é usado para filtrar a nossa água do dia a dia. E ninguém tira água preta do filtro, né?
                Então mãos à obra!


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


29 de mar de 2017

Geleia de jabuticaba



Geleia de jabuticaba 1

                A geleia de jabuticaba foi a primeira geleia caseira que provei, ainda na minha infância.
                E também foi a primeira geleia que aprendi a fazer, ainda usando uma grande quantidade de açúcar (1 litro de polpa de fruta para 1 kg de açúcar).
                Por isso, quando uma leitora me enviou um email pedindo uma receita de geleia de jabuticaba, me surpreendi ao ver que não havia publicado nenhuma receita.
                Tenho um pé de jabuticaba em casa, mas minha filha prefere o suco.
                Mas este mês a jabuticabeira deu muitos frutos, então resolvi fazer a geleia, um pouco de calda e o suco para ela.
                Quando eu comecei a fazer a geleia, ainda adolescente, eu fervia as jabuticabas e passava pela peneira desprezando as sementes e as cascas.
                Com o passar do tempo fui preparando meus sucos de frutas batendo as cascas e as sementes junto com a polpa das frutas (melão, melancia, jabuticaba, acerola, pitanga) e aprendi, com um leitor, que é na casca e nas sementes que se concentra a pectina, substância importantíssima para dar o ponto de geleia. Então passei a bater a jabuticaba inteira no liquidificador para preparar o suco ou a geleia. Sempre usando muito pouca água, para não diluir a polpa ou a pectina.
                E mesmo que vá só fazer suco, não deixe de ferver as frutas por pelo menos 8 minutos, para diminuir o sabor adstringente do tanino contido nas frutas vermelhas.


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


27 de mar de 2017

Bolo de fubá colonial da vó Anaide



Bolo de fubá colonial 1

                A pouco tempo meu irmão Auli Junior procurou uma receita de nossa avó Anaide aqui no blog e não achou.
                Ele queria a receita de bolo de fubá colonial. Falha minha!!!
                Eu já havia publicado algumas receitas de bolo de fubá e já tenho outras prontas para publicar, mas realmente eu também valorizo muito as receitas de família. Não quero que se percam. Não são apenas receitas, são memórias afetivas!
                Os finais de semana sempre foram da família e nada mais gostoso do que unir o passado e o presente nas mesas de fim de semana. Nada como relembrar o carinho de vó preparando um de seus pratos, que fizeram parte da nossa infância, para nossos filhos, que nem sempre desfrutaram da companhia dos nossos avós.
                É uma bela maneira de manter sua memória viva e homenageá-los.


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


8 de mar de 2017

Brigadeiro de queijo



Brigadeiro de queijo 1

                Brigadeiro branco já é uma delícia.
                Com queijo ralado ele faz um casamento perfeito.
                O queijo parmesão ralado dá uma quebrada no doce do brigadeiro, deixando-o perigosamente delicioso!!!!



Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


1 de mar de 2017

Bolo de abacaxi recheado




Bolo de abacaxi com emulsificante 1

                Sempre tive receio de usar emulsificantes e outros aditivos em minhas receitas.
                E nunca tive dificuldades em fazer bolos fofinhos e aerados, muito pelo contrário, minha dificuldade é fazer massas que precisam ser mais densas para sustentar uma cobertura como a farofa de uma cuca.
                Mas tenho que admitir, o emulsificante é um grande aliado para várias preparações.
                O bolo de abacaxi ficou delicioso e bem acabado, sem perder a textura que tanto nos agrada.
                E a cobertura ficou fofa, com sabor suave e muito fácil de aplicar, além de render bastante.
                Se não vai se tornar um ingrediente constante, pelo menos o emulsificante não será mais visto com reservas.


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


22 de fev de 2017

Feijoada de pintado



Feijoada de pintado 1
          
                Há muitos anos vi na tv uma receita de feijoada de pintado, também conhecido como surumbi.
                Mas não é um peixe muito comum em nossa casa, então simplesmente guardei a receita para um dia experimentar.
                Lembro que o autor da receita bateu o feijão branco cozido no liquidificador e fez um creme.
                Ano passado, zapeando na tv, vi um destes programas de competição culinária alguém que tinha preparado uma feijoada de peixe e o apresentador/jurado criticou a mistura de peixe com carnes vermelhas defumadas. Não me lembro nem da receita, nem do comentário completo, já que eu estava zapeando... mas aquilo ficou na minha mente.
                Feijoadas têm carnes defumadas, mas carnes vermelhas meio que brigam com o sabor delicado da maioria dos peixes. Com certeza pode combinar com peixes de sabor mais intenso e que tenham um alto teor de gordura, mas creio que não foi esta a escolha dos competidores.
                Quando eu fiz os peixes defumados me lembrei desta receita de feijoada e me animei a fazê-la usando o pintado defumado.
                 E confesso que foi muito difícil achar o pintado nas peixarias da cidade. Só consegui encontrar em um novo supermercado que abriu recentemente.
                 E se ficar difícil encontrar pintado (ou se gostar mais de outro tipo de peixe), prepare a feijoada com outro peixe em postas. E para quem tem menos acesso a defumados, mostro como defumá-lo no final da postagem.
                Ah! E o pintado é da família dos bagres, então  grande parte da minha família não gosta. Da próxima farei com pescada, robalo, vermelho, cação ou qualquer outro peixe que possa ser cortado em postas grossas e defumado.
               E a receita de feijoada de pintado é preparada com o peixe sem defumar, mas com ele defumado fica maravilhosa.


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


15 de fev de 2017

Biscoito de aveia com geleia e castanhas de caju


Biscoito de aveia com geleia e castanhas de caju 1

                Desde que descobri o poder da aveia na diminuição e controle do colesterol, passei a colecionar e fazer receitas com este cereal.
                 E este é apenas um dos benefícios do consumo da aveia.
                 Além dela, este delicioso biscoitinho ainda conta dos benefícios das frutas oleaginosas, também ricas em nutrientes, sais minerais e que ajudam a controlar o colesterol.
                 Aliado a todos estes benefícios, o sabor destes biscoitinhos e a facilidade no preparo, certamente torna esta receita digna de ser favoritada e feita com frequência.


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


8 de fev de 2017

Língua ao molho de cacau



Língua ao molho de cacau 1

                Esta receita originalmente é feita com vinho tinto seco, mas eu realmente não gosto de beber e achei que comprar uma garrafa de vinho para usar apenas 300 ml seria um exagero.
                Há receitas, como pernil de porco por exemplo, que usam todo conteúdo da garrafa, mas não era este o caso.
                Como eu tenho vários licores e essência para licor em casa, resolvi usar a essência de cacau.
                Uso muito os licores e as essências para preparar bolos e pães. As massas ficam maravilhosas.
                E como as essências e licores bem preparados e acondicionados duram anos, eu os aproveito em todo tipo de prato.
                No final da postagem veja como preparar as essências.


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


1 de fev de 2017

Coxinha de pernil



Coxinha de pernil

                De vez em quando trocamos o jantar por lanches leves. Às vezes nem tão leves assim.
                Muitas vezes fazemos muffins salgados assados ou bolinhos de arroz assados.
                Mas outras vezes são os salgadinhos fritos que fazem a festa.
                Desta vez foi uma deliciosa coxinha de pernil de porco.
                Bom, na verdade eu fiz com filezinho de lombo de porco, mas poderia ter sido feita com pernil desossado ou mesmo com sobras de pernil.
                E a massa é de mandioca/aipim/macaxeira.


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


25 de jan de 2017

Bananas chips



Bananas chips 1

               Aproveitando alguns cachos de banana verde, resolvi fazer bananas chips.
               Bananas verdes cozidas ou fritas têm sabor de tubérculos, sendo assim, são ótimas como acompanhamento para pratos salgados ou mesmo aperitivo ou lanche.
               O sabor da banana verde cozida é uma mistura de batata baroa/mandioquinha e pinhão cozidos.
               Também pode-se temperar as chips de banana com açúcar e canela.


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


18 de jan de 2017

Tilápia com camarão



Receitas de todos nós

                 Nada mais prático de se fazer quando estamos com pressa ou atrasados do que um peixinho cozido.
                 É rápido, prático e fica muito gostoso, principalmente quando juntamos alguns camarões e servimos com um belo pirão.
                 E é uma refeição bem leve, perfeita para os dias mais quentes do ano.


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros


11 de jan de 2017

Maionese de salsinha



Maionese de salsinha 1

                Quando eu estava no segundo grau uma de minhas colegas fez um delicioso bolo salgado coberto com uma maionese verde maravilhosa.
                O cheiro verde estava na medida certa e a maionese bem leve.
                Como eu estava assoberbada, nem pensei em pedir a receita, mas jamais esqueci do sabor.
                Tentei fazer algumas vezes, sem sucesso. Acabei descobrindo que estava na hora de trocar de liquidificador. O meu já estava esquentando demais, desandando minhas maioneses.
                 Liquidificador novo, com um copo que deixa a hélice longe do motor, chegou a hora de testar uma receita.
                 Aproveitei uma receita de maionese de alho, trocando o alho por salsinha e aqui está o resultado.
                 Simplesmente imperdível.


Print Friendly and PDF





Doe amor, doe VIDA! Doe medula óssea!
Clique na imagem abaixo e descubra onde:

Hemocentros